terça-feira, 7 de abril de 2009

VERDADES MENTIROSAS


Malu Monte


Verdades ditas por ti sinceras;
Soam como mentiras por mim ouvidas.
Quem sabe, então, tuas mentiras que por vezes repetidas,
Não se transformaram em verdades por mim aceitas?
Vejo aquilo que vem de ti como um turbilhão;
Idéias confusas e superficiais;
Palavras soltas ao vento;
Gestos sem nenhum sentido para o momento;
Tudo tão desconexo, jogado, largado ao tempo;
É como se o eco das palavras por ti proferidas;
Chegassem até mim sem nenhuma compreensão;
Talvez quem saiba eu prefira tapar os ouvidos para assim não escutá-las?
Não quero mais ferir meu coração!

Um comentário:

Anônimo disse...

Complexo, profundo, revelador, palavras na boca de uma artista talentosa... que uma vez escritas, flertam com a estética poética das relações humanas.Parabéns!