quinta-feira, 30 de junho de 2011

O GRITO










Malu Monte


Onde vivem os amores
Se num simples dizer as almas calam
Evadiram-se no tempo
Tal e qual carros na freeway
Nem os tente parar

Passos apressados na avenida central
Busca pelo inimaginável
Fuga que viaja pelo ópio
Pra pensar no que não existe
Versos feitos sem inspiração

Fantasmas brotam da escuridão
Pensamentos que navegam
Num dia que amanhece
Olhos fundos perdidos no vazio
Enquanto sombras dançam na televisão

Sonhos, habitam em nós
Contidos pelo grito que nos oprime
O silêncio se faz presente
No toque de assédio
Do lado obscuro de uma sociedade que rui.

terça-feira, 14 de junho de 2011

VIAGEM INSÓLITA


Malu Monte


Lá estavam seus olhos
A avistar um vazio nas profundezas do mar
No vai e vem das ondas que se chocavam
A ver paisagens nas pinceladas de lembranças
Busca desenfreada por um amor que lhe aquietasse a alma
Medo, fuga ou desapego do que sentira outrora
Como muralha que o impede o paraíso.

Nada a planejar mas com tanto por fazer
Pra quê papéis na falta do que escrever?
Tampouco promessas se nem sabes o que está por vir
Pra quê palavras na falta do que dizer?
Sonata ou canção que te leve a prosseguir
Se nessa viagem fica mais do que nítida
A ausência do beijo que não permitiste cometer!

CRISTAL (Haikai)


Malu Monte


Sou tão minha e de mais ninguém
Um ser em total estado de alerta
Precavida, resguardada em sentimentos
Simetria simples, ordenada e marcante
Tal e qual um cristal brilhante
No calor do amor transformo-me em diamante.