sexta-feira, 24 de abril de 2009

TERRA DO NUNCA (Crônica)


Malu Monte

Certa vez, num elevador, ouvi uma conversa entre duas jovens de mais ou menos seus 17 anos e um delas dizia:
- Nunca mais vou fazer coisas que depois me arrependa!
Será mesmo que não?! - Pensei eu.
Fui pra casa e no caminho só ouvia aquela frase da jovem desiludida.
Pensei então, em como seria simplificar demais a vida se pudéssemos determinar pra cada situação específica um comportamento à adotar.
Mas que graça teria isso? Que graça teria não provarmos algo novo por medo do arrependimento?
Viveríamos uma vida ensossa, sem tempero algum... Uma vida determinada por outrem que já passou por experiências inusitadas e que, até por uma questão de gosto pessoal ou até mesmo pela época em que as viveu, não soube saboreá-las como deveria.
Experiências, são momentos em que não nos cabem julgamentos preconcebidos. Ao contrário, ideal seria avaliarmos até que ponto estaremos preparados para vivê-las ou se a mesma não irá contra os nossos princípios.
Contudo, dizer-se "NUNCA" a determinados passos que estão prestes a serem dados sem uma avaliação prévia seria muito injusto conosco, até porque, essa tal palavra de cinco letras tem poder e, por muitos anos, foi um perigo muito grande que rondou nossas vidas. Sobretudo, não podemos esquecer que, por conta de uma educação repressora, muitos de nós foi obrigado a utilizá-la com certa constância e vejam no que deu! Até hoje pagamos um preço caro quando deveríamos tê-la expurgado e optado em irmos à luta com determinação pelos nossos objetivos.
Voltando à jovem no elevador...
Eu gostaria de ter a chance de reencontrá-la e saber se ainda pensa como antes...
E quem sabe, caso tivesse essa opotunidade, dizer a ela tudo o que expus aqui. Tentaria mostrar-lhe o quanto somos capazes de fazer nossas próprias opções de forma consciente, sem que precisemos nos violentar ou nos atermos a palavras de significados fortes que podem vir a arruinar nossas vidas para sempre.
Sendo assim, deixo um recado que vale tanto pra ela, como para quem ainda não se deu a chance de refletir sobre essa questão:
Tente propor a si mesmo a construção de uma nova vida!
Crie pra si uma meta como num grande anúncio de classificados e permutas...
...Mais ou menos assim:

"TROCA-SE UMA VIDA DE MARASMO POR UM ESPÍRITO AVENTUREIRO."

Ou será que você prefere viver na "TERRA DO NUNCA"?"!

sexta-feira, 10 de abril de 2009

CHAMAS EM MIM


Malu Monte

Deixe-me livre!
Quero viver por entre flores
A correr pelos jardins alheios
Deslizar pelas corredeiras
Escalar montanhas
Preciso estar livre pra viver a minha história
Sonhar sonhos que são só meus.
Por favor, é só o que te peço...
Dê-me a liberdade de que tanto preciso
Deixe que eu curta meus devaneios de fêmea
Que eu me lambuze do mel que a abelha fabrica
Careço tomar banho de chuva nua pra lavar a alma
Exterminar demônios que habitam em mim
Encontrar os anjos dos quais eu possa colher a felicidade
Dentro de mim mora alguém que não mais reconheço
E a cada passo dado me surpreendo com as descobertas que faço
Hoje sou uma estranha de mim mesma
Horas me odeio por me deixar aprisionar por você
Não sei viver sem me jogar
Preciso experiências tentar para crescer como pessoa
Não posso viver numa redoma à ser protegida
Quero lutar, bater, apanhar, cair pra levantar com meus próprios pés
Chega de proteção! Chega de excessos de zelo!
Só assim descobrirei onde me levará essa tal estrada da vida...
Por que cersir um tecido poído se é melhor deixá-lo rasgar pra se desnudar?!
Deixe que eu me arda em chamas!
Não jogue água na fogueira!
Ao contrário, permita que eu ponha mais lenha;
E nem o mais forte dos ventos a apagará.

terça-feira, 7 de abril de 2009

VERDADES MENTIROSAS


Malu Monte


Verdades ditas por ti sinceras;
Soam como mentiras por mim ouvidas.
Quem sabe, então, tuas mentiras que por vezes repetidas,
Não se transformaram em verdades por mim aceitas?
Vejo aquilo que vem de ti como um turbilhão;
Idéias confusas e superficiais;
Palavras soltas ao vento;
Gestos sem nenhum sentido para o momento;
Tudo tão desconexo, jogado, largado ao tempo;
É como se o eco das palavras por ti proferidas;
Chegassem até mim sem nenhuma compreensão;
Talvez quem saiba eu prefira tapar os ouvidos para assim não escutá-las?
Não quero mais ferir meu coração!

segunda-feira, 6 de abril de 2009

PERDAS E GANHOS (Crônica)


Malu Monte


Você já se deu conta de como é complicado pro ser humano saber lidar com as perdas?
Na maioria das vezes, durante a infância, as crianças são poupadas das perdas; Vivem num mundo mágico e fantasioso em que não existe lugar para a morte - Ao contrário, esta "senhora" é substituída por uma "longa viagem" e sabemos nunca terá a sua passagem de volta. No caso da perda de um animal, por exemplo, imediatamente o mesmo é substituído em muitas das vezes por outro de mesma raça ou espécie. Isso se aplica também a outros tantos exemplos que vemos pela vida afora.
No entanto, pais superprotetores não se dão conta do mal que causam ao tentarem poupar seus rebentos das perdas, sobretudo, porque esses filhos ao se depararem com qualquer situação do gênero certamente perderão o eixo e consequentemente se descontrolarão, chorarão, lamentarão e pensarão até em desistirem mesmo sem terem tentado uma segunda chance.
Contudo, somos sabedores de que perdas existem e sempre existirão, portanto, elas deverão ser trabalhadas desde cedo dentro de cada um, a fim de que toda experiência ocorrida, seja ela boa ou má, nos sirva como um suporte emocional para enfrentarmos qualquer obstáculo que surja pela frente.
Ficam aqui algumas reflexões a serem consideradas ao longo da vida, aos que se viram superprotegidos por seus responsáveis - guardiãs de sua orientação educacional:
- Que tal lembrarem-se de que a vida é feita de ciclos - no exato momento em que fecha-se um, abre-se um outro e este poderá vir recheado de grandes realizações?!
- E que tal pararem pra pensar no que seria da vida se não houvesse a expectativa do novo?!
- Por que não substituírem as desilusões pelo recomeço?
- E se tentarmos transformar o que for ruim em algo de bom; com algum conteúdo?!
Perceberam? É assim que devemos vislumbrar o recomeço, sobretudo, se pensarmos que o verbo recomeçar combina com esperança por dias melhores;
Recomeçar é jogar fora coisas negativas e incutir na cabeça que tudo que virá pela frente poderá nos proporcionar prazer, sabedoria e experiências que mesmo negativas, ainda assim, nos servirão como aprendizado.
Talvez isso soe utópico, no entanto, que tal pensarmos daqui pra frente em perdas como sinônimo de renovação, transformação?!
Como veem, não viajamos por uma via de mão única, pois a estrada da vida é repleta de caminhos tortuosos que não sabemos onde nos levarão. Através dela, teremos a oportunidade de cruzar com diferentes cenários e pessoas que muito nos ensinarão a nos transformarmos em algo melhor e de captarmos o bem ainda que, pra isso, tenhamos que tomar um percurso muito complicado o qual só os pacientes e os sábios alcançarão.
Por fim, uma dica para aqueles que pensam em pegar o acostamento e chegar mais rápido aos seus destinos: Sugiro nem tentarem essa alternativa, sobretudo, porque poderão ser ultrapassados por outros indivíduos que já traçaram essa mesma rota e tiveram que voltar ao ponto de partida pra então recomeçá-la - Só que com uma significativa diferença: Estes agora deverão ser vistos como adversários muito poderosos, preparados através de experiências adquiridas ao longo da vida nas quais aprenderam a transformar suas perdas em ganhos na tentativa de um recomeçar.
Pensem nisso!