sábado, 18 de julho de 2009

QUANDO ME VISTE



Malu Monte

Quem poderia supor que naquela noite tudo aconteceria...
E eu que não me dei conta de ser observada;
Tão elétrica eu estava,
A todos cumprimentava,
Em meio a todos passeava,
E não via que pelos teus olhos era filmada.
Segundo você, àquela altura já com o coração acelerado,
A mente hipnotizada por um foco que era eu.
Parecendo até música de compositor mineiro,
Só soube que tudo aconteceu tão ligeiro...
Que meu perfume aspirado por tuas narinas
Despertou em ti os desejos mais calientes.
Viajaste em pensamento por entre céu e inferno num só instante
Buscastes poesia enquanto contavas as estrelas pra me ofertar
Despertavas seus demônios através dos desejos carnais
Sentias o corpo responder aos instintos de macho
Vontades o faziam levitar e nada mais enxergar.
Algo forte iniciou-se ali e enfim planejastes objetivo maior:
Sonhar ter-me pra si numa voluptuosa noite de prazer e amor.

Um comentário:

http://azamorena.blogspot.com/ disse...

Ameiiii o poema... Desconcertante!!!